Categorias
Cismas

rituais reuniões rebuliços: dois anos depois

um começo clichê:

cada um de nós, nos mais diversos níveis, teve a Vida rearranjada a partir de março de 2020. e cada um de nós se adaptou

mais ou menos

como deu. muitas daquelas rotinazinhas estruturadas, que a gente seguia de olhos fechados, bem

desmoronaram

e agora a gente tá voltando, voltando meio daquele jeito, meio com medo, meio com preguiça (exagero meu, será?) e então aparece um convite pra algo que a gente fazia sempre e a gente

será?

(e é nessas horas que penso que eu tive a chance de poder voltar só agora)

e a gente não consegue recusar o convite porque é um daqueles Rituais que acompanham a gente por anos e que no meu caso são as

Feiras ou

Festivais Japoneses ou

Matsuris.

desde 2004 participando deles, todo ano, mais de uma vez por ano, encontrando aquelas pessoas que a gente só encontra lá, e o troço já faz meio que parte do sangue mesmo que o sangue (antes que se pergunte) não tenha nada de japonês. podia resumir dizendo que

eu fui e me banhei na sensação de estar lá

mas isso não seria uma Cisma, só seria uma confissão. pra ser uma Cisma tem que ter algo além do pavilhão do parque barigui lotado, tão lotado que no domingo pararam de cobrar ingresso, deixaram uma penca de gente entrar e fecharam as portas, porque o lugar atingiu Lotação Máxima. era mar de gente passando pelos corredores matando a sede de encontro, se atirando nas comidas e nas lojinhas e gastando tanto que até livro vendeu bem. mas a gente só pôde viver isso porque a gente

ainda tá vivo.

todo matsuri, eu e uma amiga (a que tem um elefante branco na sala) temos um ritual: a gente dança bon odori juntas. a gente para de comer ou de conversar ou de vender pra ir dançar. a gente entra na fila de pessoas e vai dançando em círculos aqueles passos repetitivos guiados pelas batidas intensas do taikô e da letra em looping. as senhorinhas sempre vão na frente, puxando a fila e ensinando os passos. o bon odori é uma dança que a gente dança em grupo para

homenagear os mortos.

teve gente que não tava mais lá.

gente que participava desse ritual há bem mais tempo que eu.

uma dessas pessoas era a mãe de um amigo meu, que sempre canta os bon odori.

pow tac pow

tsuki gaaaa detta dettaaaa

pow tac

a voz dele grudou nos meus ouvidos AMPLIFICADA por aquelas caixas maiores que eu

tsuki gaaaaa dettaaaaaa na yoi yoi

tac tac pow

e a dança em círculo

pow pow

e as batidas do tambor vibrando no peito

pow pow POW

e os movimentos repetitivos que obrigam a gente a ser uma coisa só me lançaram num 

transe

POW

anos dançando aquilo pra enfim acessar a ancestralidade e descompreender aqueles passos que eu racionalizava tanto pra enfim

dançá-los

tive que me segurar pra não fugir inteira do corpo (acho que é por isso que os movimentos são repetitivos) e não começar a Chorar ali mesmo, porque afinal eu tava

celebrando

não tava?

já chorei de celebração, mas naquela hora eu queria era Chorar de tristeza mesmo.

uma tristeza sentida. despersonificada.

naquela dança em roda que a gente repete os movimentos e a batida se repete dentro da gente e a voz chamando a gente pra estar ali em corpo enquanto

a gente desmoronou tanto nesses dois anos que não basta reestruturar as rotinazinhas pra tudo voltar a ser como era 

antes

(cada um escolhe o seu).

rituais são Pontos Fixos, mas até pontos fixos têm seus Pontos de Virada

a gente volta, mas tem coisas que não voltam com a gente, assim como tem coisas novas que nos chegam mas a gente segue

repetindo

e Celebra. porque a gente precisa Celebrar e retornar aos rituais pra Absorver essas novas doses de Vida. pra ter 

pontos de Retorno

é um conforto poder voltar a um lugar simbólico e partilhar um momento simbólico com uma família simbólica de um monte de gente que se desconhece.

acho que isso explica muita coisa.

P.S.: alguém leu 

Aline Bei e pensou

como nunca pensei em explorar o ritmo de um texto em prosa? e começou a cismar.

Assine o Lambrequim

Recebeu essa nota por e-mail ou pelo whats e gostou? Então junte-se aos quase 2 mil assinantes da newsletter Lambrequim e receba, toda quarta-feira, uma seleção sobre música, livros, criatividade e como ser artista independente em um mundo de mudanças constantes.