Lambrequim logo newsletter

a newsletter de cultura e tecnologia da Têmpora Criativa

A Janela Visual para a Tragédia: Reflexões sobre a Catástrofe no Rio Grande do Sul à Luz de Susan Sontag

A recente devastação no Rio Grande do Sul, onde inundações sem precedentes tomaram a vida de centenas e desabrigaram milhares, invadiu as mídias sociais e noticiários. As imagens dos municípios submersos e das vítimas em desespero, ecoam as observações de Susan Sontag sobre a representação do sofrimento humano. A autora, em “Diante da Dor dos Outros”, reflete sobre o poder das imagens de despertar empatia e, simultaneamente, o risco de dessensibilização.

A Natureza Dual das Imagens de Catástrofe ou Empatia x Dessensibilização

Conforme Sontag sugere, a repetição de imagens de desastres pode levar a uma resposta anestesiada do público. A cada nova tragédia, como a que se desenrola no Rio Grande do Sul, os limites dessa dessensibilização são expostos. 

As imagens dos residentes sendo resgatados e de ruas inteiras debaixo d’água têm o potencial de reavivar a empatia e mobilizar apoio global, demonstrando que a capacidade de uma imagem gerar empatia não garante, por si só, ação efetiva, mas pode ser o primeiro passo crucial.

A exposição repetida a imagens de desastres, como frequentemente vista na mídia e redes sociais, pode causar o que é conhecido como “fadiga de compaixão”. Esse fenômeno descreve a redução gradual da empatia e do interesse do público em resposta ao excesso de exposição a imagens angustiantes. Este aspecto ressalta o desafio enfrentado pelas organizações humanitárias e meios de comunicação para manter o engajamento público frente a crises prolongadas ou recorrentes.

Contrastando com a dessensibilização, cada nova imagem de uma tragédia pode funcionar como um gatilho emocional que renova a empatia e a preocupação pública, especialmente quando as imagens mostram aspectos particularmente chocantes ou novos ângulos da história. As imagens da catástrofe no Rio Grande do Sul, mostrando o desespero e a resiliência dos afetados, por exemplo, podem servir como apelo à solidariedade e à ação.

As imagens de desastre também provocam intensas reações emocionais, como tristeza, raiva ou medo, que podem motivar ações como doações, voluntariado ou advocacia. No entanto, a maneira como essas imagens são apresentadas — seu enquadramento, a história que acompanha, a frequência com que são mostradas — pode influenciar significativamente a natureza dessa resposta. 

A mobilização em busca de apoio, imagens que destacam soluções ou mostram pessoas sendo ajudadas tendem a gerar uma resposta mais positiva e ativa do público. Isso é crucial para organizações que dependem do apoio público para suas operações de ajuda e reconstrução. Assim, a escolha das imagens e a narrativa que as acompanham podem ser estrategicamente utilizadas para incentivar a ação e evitar a fadiga de compaixão.

Ética 

Fotógrafos, jornalistas e editores enfrentam dilemas éticos ao escolher quais imagens capturar e compartilhar (ao menos deveriam). A decisão de destacar certas imagens em detrimento de outras pode ser influenciada por vários fatores, incluindo a busca por impacto visual, necessidades editoriais ou agendas políticas. Essas escolhas têm implicações profundas sobre como as crises são percebidas e entendidas pelo público. Para Sontag, os espectadores devem refletir sobre suas próprias reações às imagens. Não é apenas ver, mas entender o contexto, questionar a origem e pensar nas consequências de sua própria resposta. 

A estética de uma imagem de sofrimento pode atrair e repelir, criando uma complexidade na forma como consumimos essas imagens. O espectador, ao se deparar com as fotos da catástrofe, enfrenta o desafio de não apenas observar, mas interpretar e responder de maneira ética. É crucial questionar: estamos consumindo essas imagens como mero espetáculo ou como um chamado à ação?

As imagens de sofrimento possuem uma dupla face estética: podem ser simultaneamente belas em sua composição e perturbadoras em seu conteúdo. Essa dualidade pode confundir o espectador, tornando o consumo das imagens uma experiência esteticamente agradável, apesar de seu conteúdo trágico. As imagens não são meras representações da realidade; elas são construídas, selecionadas, e muitas vezes editadas para transmitir uma narrativa específica. É a  escolha sobre o que incluir ou omitir, influenciando a percepção pública do evento. 

Uma crítica central de Sontag é que, em muitos casos, as imagens de sofrimento são consumidas como espetáculos, sem levar a uma ação significativa. Estamos tratando as tragédias humanas como entretenimento distante? 

O Papel da Arte na Memória Coletiva

No contexto do desastre em Rio Grande do Sul, tanto as fotografias quanto os vídeos desempenham papeis fundamentais na documentação do evento e na formação da memória coletiva. Estas formas de arte não apenas capturam momentos cruciais da tragédia, mas também moldam a maneira como lembramos e respondemos a tais eventos. As fotografias, com seus instantes congelados, e os vídeos, com suas narrativas contínuas, oferecem perspectivas complementares que ampliam nossa compreensão do desastre e intensificam o impacto emocional.

Em outras palavras, as imagens capturam detalhes que as narrativas escritas podem omitir, proporcionando uma visão mais imediata e imersiva. No entanto, ambos são fragmentos da realidade, selecionados e muitas vezes editados para transmitir narrativas específicas. Esta seleção pode tanto esclarecer quanto distorcer nossa percepção dos eventos, influenciando significativamente a memória coletiva. 

Além de documentar, a fotografia e o vídeo servem como ferramentas de sensibilização e mobilização. Os vídeos, em particular, com sua capacidade de mostrar a evolução de uma situação em tempo real, podem ser mais eficazes em manter a atenção do público e em mobilizar apoio. 

Ao integrar as ideias de Sontag com a resposta à catástrofe no Rio Grande do Sul, somos lembrados da importância da consciência crítica ao interagir com imagens de sofrimento. É uma oportunidade de transcender a passividade habitual e agir de maneira significativa, seja através de suporte direto às vítimas ou participação em iniciativas de longo prazo para mitigar tais desastres. As imagens têm o poder de mover o público não apenas para a empatia, mas para a ação, transformando a forma como respondemos a crises e catástrofes em um mundo interconectado.


Publicado

em

por