Categorias
Nefelibatas

Anitta, YouTube e IA 

Antes de mais nada, eu só quero dizer que esse é um texto (apenas) informativo, beleza? Foi…

O YouTube recentemente apresentou seu Incubador de IA Musical, indicando intenções de se associar a artistas para avançar na tecnologia de IA generativa e obter insights.

Esta iniciativa marca uma colaboração significativa entre o YouTube e o Universal Music Group, contando com nomes renomados como Anitta, Ryan Tedder do OneRepublic e o legado de Frank Sinatra.

Neal Mohan, CEO do YouTube, destacou três princípios fundamentais que guiarão os esforços de IA da plataforma. Esses princípios refletem uma estratégia progressiva com o objetivo de proteger os artistas enquanto revela novas oportunidades.

São elas (a tradução é nossa): 

Princípio #1

A IA está aqui, e nós a abraçaremos de forma responsável junto com nossos parceiros musicais.

Os avanços na IA generativa não são mais uma promessa futura. Milhões de pessoas já a incorporam em suas vidas diárias, desde encontrar informações úteis até aumentar a criatividade e produtividade. E, em particular, os criadores do YouTube adotaram a IA para otimizar e impulsionar seus processos criativos. Somente em 2023, houve mais de 1,7 bilhão de visualizações de vídeos relacionados a ferramentas de IA no YouTube.

À medida que a IA generativa desbloqueia novas e ambiciosas formas de criatividade, o YouTube e nossos parceiros em toda a indústria musical concordam em construir tendo como base nossa longa história colaborativa e abraçar responsavelmente este campo que avança rapidamente. Nosso objetivo é nos associar à indústria musical para potencializar a criatividade de uma forma que aprimore nossa busca conjunta por inovação responsável.

Com esse objetivo, estamos abordando esta oportunidade de frente. Hoje, estamos apresentando o Incubador de IA Musical do YouTube. O incubador ajudará a informar a abordagem do YouTube à medida que trabalhamos com alguns dos artistas, compositores e produtores musicais mais inovadores da indústria, abrangendo uma ampla gama de culturas, gêneros e experiências.

Princípio #2

A IA está inaugurando uma nova era de expressão criativa, mas deve incluir proteções adequadas e desbloquear oportunidades para parceiros musicais que decidem participar.

Estamos mantendo nosso forte histórico de proteger o trabalho criativo dos artistas no YouTube. Fizemos investimentos massivos ao longo dos anos nos sistemas que ajudam a equilibrar os interesses dos detentores de direitos autorais com os da comunidade criativa no YouTube.

O Content ID, nossa tecnologia de gerenciamento de direitos de ponta, garante que os detentores de direitos sejam pagos pelo uso de seu conteúdo e gerou bilhões para a indústria ao longo dos anos. Uma nova era de conteúdo gerado está aqui, e isso nos dá a oportunidade de reimaginar e evoluir novamente. Estamos ansiosos para continuar construindo, tendo como foco ajudar artistas e criadores a ganhar dinheiro no YouTube e continuaremos a fazê-lo em colaboração com nossos parceiros.

Princípio #3

Construímos uma organização líder de confiança e segurança e políticas de conteúdo. Vamos dimensionar isso para enfrentar os desafios da IA.

Passamos anos investindo nas políticas e nas equipes de confiança e segurança que ajudam a proteger a comunidade do YouTube, e também estamos aplicando essas salvaguardas ao conteúdo gerado por IA. Um exemplo são nossas políticas que proíbem certos conteúdos tecnicamente manipulados. Isso significa que, no YouTube, você não pode fazer upload de um vídeo que tenha sido tecnicamente manipulado para promover falsas alegações ou enganar os espectadores sobre uma atrocidade de uma forma que possa levar a um sério risco de dano. E continuaremos a iterar e evoluir para enfrentar novos desafios.

Mas agora, o potencial ilimitado da IA generativa exige uma abordagem ponderada que se alinhe às vastas fronteiras da expressão criativa. Sistemas de IA generativa podem amplificar desafios atuais, como abuso de marcas registradas e direitos autorais, desinformação, spam e mais. No entanto, a IA também pode ser usada para identificar esse tipo de conteúdo, e continuaremos a investir na tecnologia alimentada por IA que nos ajuda a proteger nossa comunidade de espectadores, criadores, artistas e compositores – desde o Content ID, até políticas e sistemas de detecção e aplicação que mantêm nossa plataforma segura nos bastidores. E nos comprometemos a ampliar ainda mais esse trabalho.

Segundo Neal Mohan, CEO do YouTube, esta estratégia visa fomentar a inovação, evitando armadilhas de direitos autorais, e é uma resposta ao crescente entusiasmo pela IA na plataforma.

Dado seus quase três bilhões de usuários mensais, a incursão do YouTube na IA pode definir uma trajetória transformadora para a tecnologia dentro do mundo da música — especialmente à luz das críticas iniciais e desafios de direitos autorais.

Assine o Lambrequim