Lambrequim logo newsletter

a newsletter de cultura e tecnologia da Têmpora Criativa

photo of grass field

Iniciando o Windows: uma das músicas mais conhecidas de todos os tempos tem uma história curiosa

Com toda certeza você já ouviu o som de abertura do Windows 95. Talvez você não a chame propriamente de música, mas em tempo de músicas de 30 segundos essa com certeza é uma obra prima. 

Se você não lembra, ou quem sabe, não conhece, aqui está o link. São 6 segundos de pura magia, numa mistura de tecnologia com ambientação e enfim…

A pequena joia foi esculpida por ninguém menos que Brian Eno. Ele foi escolhido à época pela Microsoft para criar o que viria a ser a marca sonora da empresa

Para começar, eles deram a ele uma longa sequência de adjetivos que o som precisava ter. O resumo original era para que a peça durasse apenas 3,25 segundos.

Bom, não sei se você conhece os épicos ambientais de Eno, mas fique sabendo que são peças grandes e, é claro, ele acabou compondo uma peça quase o dobro do comprimento pretendido. 

Veja o que ele disse em uma entrevista há alguns anos: 

“A ideia surgiu no momento em que eu estava completamente desprovido de ideias. Eu estive trabalhando em minha própria música por um tempo e estava bastante perdido, na verdade. E eu realmente apreciei alguém vindo e dizendo, aqui está um problema específico — resolva-o.”

Se você já fez qualquer tipo de trabalho para alguém, sabe como funcionam as coisas: pedidos impossíveis, ideias sem nexo e sempre para ontem. Com Eno não foi diferente: 

“A coisa da agência dizia: Queremos uma música que seja inspiradora, universal, blá-blá, da-da-da, otimista, futurista, sentimental, emocional, toda essa lista de adjetivos, e então na parte inferior de um documento dizia: e deve ter 3,25 segundos de duração.”

Com tantas questões para serem trabalhadas, Eno, acabou ficando obcecado e compôs 84 peças musicais diferentes. Obviamente apenas uma foi a escolhida. Segundo ele: “…há outras 83, que eu adoraria ver a luz do dia em algum momento”.

Sobre o foco no tipo de trabalho específico e a volta à rotina “normal” de composição, Eno falou: 

“Eu mergulhei completamente nesse mundo de pedacinhos de música minúsculos, minúsculos. Eu estava tão sensível aos microssegundos no final que realmente criei um impasse no meu próprio trabalho. Então, quando terminei e voltei a trabalhar com peças de três minutos, parecia oceanos de tempo.”

Quis o destino que a composição fosse criada em um computador da concorrente

“Eu nunca usei um PC na minha vida, não gosto deles.”

Outra coisa interessante que você pode tentar fazer com qualquer editor de áudio é reduzir a velocidade da música — você certamente irá perceber que o famoso e curtíssimo tema do Windows é mais parecida com uma música longa de Brian Eno do que somos fomos capazes de captar enquanto ligávamos o computador. 


Publicado

em

por