Lambrequim logo newsletter

a newsletter de cultura e tecnologia da Têmpora Criativa

woman wearing black headphones

Qual é a música? 5 apps para te ajudar a identificar aquela música presa na cabeça

Alguma vez você já teve uma melodia persistente na mente sem conseguir identificar qual era a música? 

Eu posso te dizer, não se preocupe, que isso é muito comum. 

Talvez seja um refrão ou um fragmento de letra que fica ecoando em sua cabeça, mas você não consegue lembrar o nome da música ou do artista. 

Esse cenário frustrante pode levar a um ciclo incessante de tentativas de lembrar, com a solução parecendo sempre estar um pouco além do alcance, enquanto seu cérebro trabalha ativamente para resolver o enigma.

Felizmente, a tecnologia está aqui para te ajudar. Ferramentas de reconhecimento musical, desenvolvidas nos últimos anos têm a capacidade de identificar músicas ao analisar padrões melódicos e líricos. Os resultados são quase sempre impressionantes, mesmo com dados mínimos.

Várias das ferramentas disponíveis hoje têm uma abordagem dupla: elas podem identificar uma música que você reproduz cantando ou assobiando e também podem detectar a música quando a gravação original é reproduzida por perto. 

Hoje, focaremos na capacidade de identificação de músicas cantadas ou assobiadas, embora as funcionalidades relacionadas ao reconhecimento de gravações oficiais também sejam notáveis. 

Utilizando assistentes virtuais como o Google Assistente ou a Siri em dispositivos móveis, é possível solicitar a identificação de uma música. Basta acionar o assistente, perguntar “Qual é essa música?” e cantar, assobiar uma parte dela ou recitar letras.

O Google Assistente e a Siri esforçam-se para encontrar correspondências, sendo o primeiro particularmente eficiente em reconhecer fragmentos de músicas, enquanto a Siri pode requerer mais detalhes líricos. A eficácia nesse processo pode depender da clareza da sua interpretação vocal.

Ambos os assistentes são eficazes na identificação de músicas que estão tocando ao vivo, o que pode ser útil em diferentes contextos, como quando uma música toca em segundo plano em um filme ou em um local público. 

No campo de aplicativos dedicados à identificação musical, o Shazam e o SoundHound são referências, disponíveis para Android e iOS. Esses aplicativos são especializados em reconhecer músicas ao seu redor e podem fornecer informações sobre a obra e o artista a partir de pedaços de áudio.

Esses aplicativos priorizam a descoberta musical, facilitando o processo com um simples toque no botão característico de cada um na tela principal. Isso permite que você tente encontrar uma música através de assobios, cantos ou recitando letras.

O SoundHound é ligeiramente superior ao Shazam em termos de reconhecimento de músicas imitadas, embora isso dependa de diversos fatores, como a singularidade da música e a precisão da sua reprodução vocal. 

Outro site interessante é o Musixmatch que oferece reconhecimento de música e exibe letras sincronizadas em tempo real. 

Se lembrar de trechos de letras, inseri-los em um mecanismo de busca como o Google pode ser uma estratégia eficiente para descobrir o nome da música, a menos que as letras sejam muito comuns. Mesmo aproximações nas letras podem ser úteis. Por exemplo, conseguimos encontrar uma música usando o Google com letras aproximadas. Basta inserir o que você se lembra e explorar os resultados.

Já o YouTube, está explorando recursos de reconhecimento de assobios, similares aos do Shazam e SoundHound, embora ainda esteja em fase de testes e possa não estar amplamente disponível. 

A IA generativa, como encontrada no ChatGPT da OpenAI e no Copilot da Microsoft, não quer ficar de fora. Embora não reconheçam assobios ou cantorias, elas podem processar e associar diversas informações para ajudar na identificação de músicas. 

Essas ferramentas podem ser surpreendentemente úteis se você fornecer pistas como parte da letra, o estilo da música, ou a origem do artista. Quaisquer detalhes adicionais, como a época de lançamento da música ou onde você a ouviu pela última vez, podem ser cruciais para a identificação.


Publicado

em

por