Lambrequim logo newsletter

a newsletter de cultura e tecnologia da Têmpora Criativa

Quem pesquisa quem pesquisa?

Salvo raras exceções, Aramis Millarch por exemplo, ninguém. Embora pesquisadores espalhados por todos os cantos do país tenham dedicado suas vidas para resgatar e documentar histórias, raríssimos casos são lembrados. Soa como ironia que, aqueles que tanto contribuíram para a formação cultural, não possuam suas próprias biografias.   

Nossa coluna de hoje traz uma pequena contribuição à construção e preservação da memória biográfica de uma das mais importantes pesquisadoras da história das Artes no Paraná. Estamos falando de Roselys Vellozo Roderjan. 

O acervo pessoal da prof. Roselys foi encaminhado para o Arquivo Público do Paraná algum tempo depois de seu falecimento, em 16 de dezembro de 2004. Este acervo, constituído de 291 livros e 40 caixas-arquivo, contém documentos manuscritos avulsos, impressos e documentos em formato audiovisual. 

Mas quem foi Roselys Vellozo Roderjan? 

Descendente de Dario Vellozo (era neta do Pitagórico), Roselys atuou por 32 anos como professora, a maior parte do tempo na Escola de Música e Belas Artes do Paraná (Embap, hoje Unespar campus 1). Suas pesquisas sobre o folclore e a cultura paranaense são referência para todo e qualquer um que deseja estudar sobre a arte paranaense.   

Filha de professores, Roselys nasceu em 6 de abril de 1927, em Curitiba (PR). Realizou os estudos primários e secundário nas antigas instituições Escola Normal de Curitiba e Ginásio Paranaense, respectivamente. Em seguida realizou o Curso Científico no Colégio Partenon. 

Após a conclusão do curso, em 1946, Roselys passou a ministrar no Magistério Público do Estado do Paraná, onde atuou até 1963. No ano seguinte, completou o curso superior, formando-se em História pela Universidade Federal do Paraná. Paralelamente, entre 1947 e 1978, lecionou no Curso Normal do Instituto de Educação do Paraná. 

Neste período, Roselys desenvolveu uma extensa pesquisa sobre o ciclo do tropeirismo. Sua hipótese aponta para a possibilidade dos paranaenses terem colonizado parte dos dois estados mais ao sul do país

Uma das raras fotos encontradas no imenso binário.

Dentre as mais de 30 obras sobre folclore e música paranaense publicadas por Roselys, destacam-se Meio Século de Música de Curitiba, na qual a autora realiza um estudo pioneiro sobre a música em Curitiba, trabalho este que servirá com uma pedra fundamental nas pesquisas desenvolvidas futuramente; Bento Mossurunga, um músico do Paraná e Cem Anos de Mossurunga, trabalhos em que são realizados levantamentos detalhados sobre a vida e a obra do compositor. 

Destaca-se ainda uma produção da década de 1960, em parceria com Inami Custódio Pinto, intitulada Gralha Azul. Trata-se de um álbum com músicas recolhidas por todo o Paraná.  

Com o objetivo de resgatar e preservar as histórias da cultura paranaense, Roderjan vincula-se a instituições de mesmo intuito, promovendo discussões acerca do folclore, música e do “valor da tradição”. Das instituições destacam-se: o Instituto de Educação do Paraná, Secretaria de Educação e Cultura do Paraná, Centro Paranaense Feminino de Folclore, Comissão Paranaense de Folclore (instituição na qual atuou como presidente) e a Comissão Nacional de Folclore. 

Devido sua grande contribuição para a cultura paranaense, Roselys foi convocada para atuar junto à Fundação Nacional das Artes (FUNARTE). Entre os anos de 1976 e 1982, Roselys desenvolveu uma série de projetos voltados à pesquisa do folclore brasileiro

Por enquanto, finalizamos a nossa contribuição. Desejamos que a coluna de hoje sirva de estímulo e apoio para as futuras investigações de pesquisadores que, assim como nós, reconhecem a necessidade de preservar a memória daqueles que foram os pioneiros.


Publicado

em

por