Categorias
Investigações Musicais

Gravadoras x Internet Archive

No início do século XX, os discos feitos principalmente de goma-laca dominavam o mercado musical. Estes discos de 78 rpm e resinas derivadas de besouros, são os antecessores frágeis da era do LP. 

Entre 1898 e a década de 1950, aproximadamente 3 milhões dessas gravações curtas, com duração de cerca de 3 minutos, foram produzidas. 

Enquanto muitas destas gravações tiveram versões modernizadas em LPs ou CDs, os discos originais ainda carregam um inestimável valor histórico. No entanto, essa preservação não é vista com bons olhos pelas gravadoras.

O Projeto The Great 78

Esta iniciativa é uma parceria entre o Internet Archive, George Blood LP e Archive of Contemporary Music. Até agora, o projeto digitalizou mais de 400 mil registros de 78 rpm, tornando-os acessíveis para pesquisadores e entusiastas. 

A ideia é conservar a música em seu estado autêntico, inclusive com suas imperfeições, e criar arquivos adaptados para diferentes análises.

Devido à fragilidade desses registros, apenas manuseá-los pode danificá-los. Por isso, o projeto busca preservar tanto as versões físicas quanto as digitais, assegurando que futuras gerações possam apreciar e estudar esses artefatos culturais.

A Controvérsia

Do outro lado da moeda, temos gravadoras como a Universal Music Group Recordings, a Sony Music Entertainment e a Capitol Records. Essas empresas acusam o Internet Archive de infringir direitos autorais ao digitalizar e disponibilizar mais de 2.700 gravações sem a devida autorização. Elas alegam danos que somam em torno de US$ 412 milhões.

Além disso, as gravadoras argumentam que muitas dessas gravações não correm risco de desaparecer, já que estão disponíveis em outras plataformas digitais.

O Debate em Pauta

Este não é o único conflito do Internet Archive, pois a organização também enfrenta desafios similares com editoras de livros, conforme explicamos aqui

Para o Internet Archive, sua missão é funcionar como uma biblioteca digital sem fins lucrativos, tornando a cultura e o conhecimento acessíveis a todos. Porém, essa visão colide com a das empresas que buscam monetizar o mesmo conteúdo cultural. 

Assine o Lambrequim